Carta Aberta à Minha Mãe

Sentada, me preparando para meditar, me veio a inspiração. Decidi escrever, sobre a gente, sobre ser mãe, filha, mulher. Sobre você.

Me lembrei da única foto que você tem na Patagônia e decidi procurá-la. Pensei em colocar a minha versão ao lado da sua e escrever sobre o quanto você me inspirou (e ainda inspira) a fazer essa viagem e todas as outras que fiz. O quão representativo foi ter usado o casaco que era seu, e que você usou quando foi, em praticamente todos os momentos, até ele ficar tão sujo e eu pensar “minha mãe não gostaria que fosse vista usando uma roupa suja” e decidir aposentá-lo.

E ao não encontrar essa foto, decidi fazer diferente. Decidi contar um pouco sobre todas as outras que já nem lembrava mais, das que somente você viveu.

Eu sei que você não gosta de ver fotos, porque dói. Dói muito mesmo, ai que dor eu senti ao ver essas e muitas outras… Mas eu acho importante, quero poder lembrar da minha história, e saber mais sobre a sua, a do papai (que não sei muito), a da Layla, a da Lúcia, a do Luiz, a de todo mundo que amo! Porque me traz conforto saber sobre a minha família, sobre as minhas origens, o todo de vocês que só tive a oportunidade de conhecer uma parte.

Digo isso porque esqueço. Esqueço que você já foi criança.
Esqueço que você já foi adolescente.
Esqueço que você também já viveu as suas aventuras. Esqueço que você já viveu um grande amor.
Esqueço que antes de você ser mãe e pai também já foi filha.
Esqueço que você conheceu um novo amor.
Esqueço que eu quem sou sua filha.
Esqueço que você é de carne e osso.
Sim, eu esqueço que você é humana.

Esqueço porque você é a minha Mulher Maravilha, a minha heroína, a mulher mais forte que conheço, que morro de orgulho, que me enche os olhos ao pensar e lembrar de tudo que você já viveu e fez por mim, pela minha irmã e por outras centenas de pessoas.

Esqueço que por trás dessa mulher incrível também existe uma pessoa que, como todas as outras, erra. Uma pessoa que tem falhas, que se irrita, que grita, explode, transborda. Uma pessoa que é capaz de fazer as próprias escolhas e que não precisa de mim para dizer o que é melhor ou pior.

Acho que esse último tem sobressaído mais durante a quarentena, a gente até brigou por causa disso. Porque eu quero que você seja feliz vivendo a vida que EU imagino para você, não a que VOCÊ escolhe viver. Por isso e por outras mil coisas, lhe peço desculpas. Me perdoe. Estou aprendendo. Estou aprendendo a separar os meus sonhos dos seus. Estou aprendendo que o melhor para mim pode não ser o melhor para você. Estou aprendendo a separar a minha heroína da minha mãe de carne e osso. Estou aprendendo a deixar de ser criança para me tornar adulta. Estou reaprendendo a lhe amar, a amar a mulher que você é hoje, não a que imagino na minha cabeça ou a que você já foi um dia. Pera, eu já aprendi. Feliz dias das mães!

Eu te amo! ❤️

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s